Archive for category Apontamentos

Stop motion

Stop motion (palavra que em inglês significa movimento parado) é uma técnica de animação fotograma a fotograma (ou quadro a quadro) feita com recurso a uma máquina de filmar, máquina fotográfica ou por um computador. Utilizam-se modelos reais em diversos materiais e dentro dos mais comuns, estão a massa de modelar, a plasticina ou até mesmo pessoas.

Estes quadros são organizados de maneira sequencial, com um curto espaço de tempo entre um quadro e outro, dando a impressão de movimento.

Depois a fase de edição podem ser acrescentados efeitos sonoros como fala ou música.

Um dos muitos filmes feito com a técnica de stop motion foi O Estranho Mundo de Jack (1993), de Tim Burton. Outro que deves ter já visto foi A Fuga das Galinhas.

O desafio que o teu professor tem para ti é de criares um pequeno filme usando esta técnica.

Começa por fazer um storyboard para o teu filme, decerto que vai ajudar. E sobretudo, usa a tua imaginação.

Anjo: trabalho original de stop motion para ver no YouTube

Anúncios

, , , ,

2 comentários

Como fazer Chroma Key no Windows Movie Maker?

Chroma key é uma técnica de efeito visual que consiste em colocar uma imagem sobre uma outra através da anulação de uma cor padrão, como por exemplo o verde ou o azul.

O efeito ou técnica Chroma Key é utilizado em vídeos em que se deseja substituir o fundo por algum outro vídeo ou foto. Já deves ter visto nos telejornais quando vão anunciar a previsão do tempo, atrás da pessoa que apresenta há um mapa do local. Para fazer esse efeito foi utilizada esta técnica, na qual se filma em um fundo de cor sólida, geralmente azul ou verde e depois substitui-se essa cor.

Técnica de Chroma Key

Técnica de Chroma Key

Como usar no Windows Movie Maker?

(1) Gravar o clip de vídeo em frente de uma tela azul bem iluminada, e depois transferir o vídeo para o computador.

(2) Destacar seguinte código xml: (fonte: windowsmoviemakers.net/forums)

<!-- windowsmoviemakers.net/forums -->
<TransitionsAndEffects Version="1.0">
<Transitions>
<TransitionDLL guid="{C5B19592-145E-11D3-9F04-006008039E37}" >
<Transition name="Bluescreen" iconid="12" comment="Makes first clip show through blue areas of second clip">
<Param name="KeyType" value="1"/>
<Param name="Similarity" value="100"/>
<Param name="Progress" value="0.0"/>
</Transition>
</TransitionDLL>
</Transitions>
</TransitionsAndEffects>

(3) Copia-o e cola-o no Bloco de Notas. Pressiona em Ficheiro > Guardar como… e depois navega até C:\Program Files\Movie Maker\Shared\AddOnTFX. (Se não tiveres uma pasta AddOnTFX pressiona o botão direito para fazer Novo> Pasta.)
Na caixa de listagem “Guardar com o Tipo:”, selecciona “Todos os tipos”. Depois digita bluescreen.xml em “Nome do ficheiro: ” e pressiona no botão Guardar.

(4) Executa o Windows Movie Maker.

(5) Importa o vídeo que gravaste para o WMM que depois deves arrastar para a linha do tempo.

Importar o vídeo gravado com tela azul

(6) Encontra a imagem, ou vídeo, que pretendes mostrar atrás. Importa para o WMM, e de seguida deves arrastar para a linha do tempo à esquerda do vídeo (o que tem o objecto em frente da tela azul).

Importar a imagem para o fundo

Trocar o vídeo e imagem de posição na linha de tempo

(7) Agora que os dois clips de vídeo são na linha do tempo, ir para o menu de transições onde deve haver um que diz “Bluescreen”.

Escolher a aplicar a transição Bluescreen

(8) Clica nele e arrasta-o para a linha do tempo. Clica no vídeo da tela azul e arrasta-o para o outro clip. Não o arrastes para longe porque isso só vai fazer com que os clips troquem de lugar.
Continua a arrastar até que o triângulo azul desaparece, e então deves voltar um pouco atrás, apenas o tamanho de um cabelo ;-).

Movimentar o clip para aplicar a transição bluescreen

(Tudo isto vai fazer mais sentido quando tentares.)

(9) Confirma agora como ficou o vídeo no monitor de pré-visualização.

,

8 comentários

Planos e Regras de Enquadramento

Não penses que basta apontar a câmara de vídeo em direcção à cena que pretendes capturar, e deixar que o espectador a receba como entender. Uma vez que parte de uma cena seja enquadrada num rectângulo, torna-se muito importante o modo como as coisas ou pessoas estão nela dispostas.

Observa o vídeo para saberes algo mais sobre «Planos e Regras de Enquadramento».

Estás pronto para pegar numa câmara de vídeo?

Deixe um comentário

Controlos e funções de uma câmara de vídeo

Considerando a enorme quantidade e complexidade da electrónica e mecanismos de precisão que contêm, as câmaras de vídeo modernas são fáceis de utilizar, graças à separação funcional das partes da câmara e dos respectivos controlos.

Os próprios controlos podem dividir-se em controlos constantemente utilizados – os controlos de on/off, zoom, e reprodução, por exemplo – e os menos utilizados, como os de configuração, mudança de modo, e do equilíbrio manual dos brancos. Estes controlos menos necessários poderão ter botões sob o painel LCD ou ser acedidos em menus no ecrã LCD.

 

Ecrã LCD – Um dos maiores avanços nas câmaras de vídeo digital é o ecrã LCD, que é suficientemente grande para uma visualização confortável da imagem. Poderá ser rodado para visualização da imagem de vários ângulos.
Controlos – Muitos dos controlos menos utilizados, como os dos efeitos especiais, estão escondidos sobre o ecrã LCD. Algumas câmaras têm também alguns conectores aqui escondidos, como também podem ter aqui um microfone.
Bateria – Em muitas câmaras, a bateria é ligada à parte de trás, mas nalguns modelos encontra-se por baixo, o que não é prático para trabalhar com um tripé.
Controlos para o polegar – O botão de start/stop normalmente é premido usando o polegar direito.

 

Óptica – As objectivas zoom modernas são obra-primas da miniaturização, combinada com uma soberba qualidade de imagem. Alguns modelos têm uma função de estabilização da imagem, que reduz os efeitos de câmara tremida na imagem.
Microfone – Muitas câmaras tem um microfone. Um microfone incorporado na câmara tem maiores probabilidades de captar o ruído da câmara do que um montado numa girafa, afastado da câmara.
Sapata – Uma sapata ou ranhura permite instalar um microfone ou uma luz.

Com a câmara de vídeo digital vai encontrar na embalagem, além da câmara, vários outros itens. Estes variam de câmara para câmara, e de fabricante para fabricantes, mas normalmente incluem uma bateria, um carregador da bateria/transformador de corrente, um cabo de alimentação, cabos de áudio e vídeo e uma correia para o ombro. Encontrará também um manual de instruções e/ou CD.

, , ,

Deixe um comentário

Formatos de output

Qualquer que seja o formato ou o suporte em que o filme seja gravado, isso é independente do formato final em que ele será exibido. Existem máquinas e software que podem converter virtualmente qualquer formato gravado para qualquer outro. Mas se quisermos que o público possa ver o “nosso” filme numa TV, temos de seguir os standards de televisão, porque o vídeo digital tem de operar dentro do ambiente das transmissões televisivas.

Isto nota-se sobretudo nas proporções do ecrã – um formato nominal de 4:3 (lê-se quatro por três), ou quase quadrado, derivado dos ecrãs da TV doméstica. Apesar do formato ser chamado de standard, poucas câmaras de vídeo ou ecrãs produzem exactamente um formato 4:3. E para aumentar a confusão, um número cada vez maior de câmaras de vídeo oferecem um formato de 16:9 (lê-se dezasseis por nove), ou ecrã largo.

Standards de televisão

O mundo da TV está dividido em dois: a zona PAL/SECAM incluindo a Europa e uma grande parte do mundo; e a zona NTSC incluindo a América do Norte e grande parte da América do Sul.

O NTSC (National Television Systems Commitee) oferece uma imagem mais estável com uma velocidade de fotogramas de aproximadamente 30 fps (fotogramas por segundo) mas com menos detalhe, com 525 linhas de varrimento, comparado com o PAL (Phase Alternating Line) e o SECAM (Sequencial Colour and Memory). O sistema europeu oferece um detalhe ligeiramente superior com as suas 625 linhas, mas é visualizado de fotogramas inferior (e por vezes irregular) de 25 fps. Os dois sistemas diferem também na maneira como gerem a informação sobre as cores.

Uma TV de 1954 (à esquerda) apresenta as mesmas características básicas dos ecrãs de TV excepto os mais modernos. Possui um formato de ecrã de 4:3 e imagens entrelaçadas, baseadas no ciclo de corrente eléctrica alterna. Uma grande vantagem dos televisores modernos (à direita) é o ecrã plano.

Ecrã largo

Como standard, as câmaras de vídeo gravam no formato rectangular 4:3. À medida que a televisão de alta definição (HDTV) e as TVs de ecrã largo se vão tornando cada vez mais comuns, existe uma maior necessidade de as câmaras gravarem para o formato 16:9. Algumas câmaras podem alternar entre 4:3 e 16:9, mas isso tem o seu preço.

 

Ecrã 4:3 (imagem à esquerda) e ecrã 16:9 (imagem à direita)

 

Algumas câmaras parecem gravar no formato ecrã largo, mas na realidade cortam as partes superior e inferior da imagem.

Para evitar a confusão, deves saber de que forma o teu filme irá ser visualizado. Se o filme se destinar a uma TV standard, a maioria das câmaras de vídeo digitais grava em 4:3 (largura: altura). Para um ecrã largo ou HDTV, deve regular a câmara para o formato 16:9, se possível.

Para mostrares um vídeo na Internet, 4:3 é a opção mais segura.

, , , , , , ,

Deixe um comentário

O que é a linha do tempo?

A linha do tempo (timeline) é uma representação gráfica do conteúdo do filme. É lida da esquerda para a direita, passando-se de um clip para outro pela mesma ordem pela qual irão aparecer no filme.

Quando se insere clips na sequência, a linha do tempo prolonga-se; se mudarmos de ideias e apagarmos sequências sem as substituir, a linha do tempo encurta-se.

 

  • Timeline com imagens

A representação mais simples de uma linha do tempo é com imagens. Neste modo, o primeiro fotograma de um clip é usado, por predefinição, para representar todo esse clip. O inconveniente desta opção é não mostrar o tempo de duração relativo dos clips na sequência.

Timeline com imagens

Timeline com imagens

 

  • Timeline escalar

Uma linha do tempo escalar representa a duração de um clip em proporção ao todo. Conforme o programa de edição de vídeo, quando se acrescentam clips e a sequência se prolonga, os clips ficam mais juntos para caberem mais no ecrã.

Timeline escalar

Timeline escalar

 

Clips, gráficos, imagens estáticas e som, são manipulados em pistas sobrepostas à linha do tempo. Podem ser comparadas com camadas de material: uma camada pode esconder outra, ou ambas podem ser visíveis. Ao mesmo tempo pode ser reproduzida uma camada de áudio.

,

1 Comentário

O que são Frames e Fotogramas?

Em inglês, fala-se em “film frame” ou “video frame“, conforme o produto em questão tenha sido realizado em película (tecnologia cinematográfica) ou vídeo (tecnologia electrónica, seja ela analógica ou digital).

Designa-se por fotograma a cada uma das imagens impressas quimicamente na fita de celulóide de um filme. Projectadas a uma cadência de 24 por segundo, produzem a ilusão de movimento. Isto deve-se à incapacidade do cérebro de processar as imagens enviadas pelo nervo óptico como fotografias separadas, quando dispostas sequencialmente a esta velocidade. Esta persistência na visão faz com que o cérebro misture as imagens seguidas, dando a sensação de movimento natural.

Muybridge race horse gallop

Muybridge race horse animated

Em português, em geral usa-se o termo fotograma para as imagens individuais de um filme, reservando a palavra frame apenas para as imagens de vídeo.

Na produção audiovisual, é comum usar-se a palavra “frame” também como unidade de tempo. Neste caso, a sua precisão depende da cadência de projecção utilizada em cada sistema particular de filme ou vídeo.

Por exemplo, no cinema sonoro (desde 1929), a cadência padrão de projecção é de 24 fps (frames por segundo), portanto um frame equivale a 0,0417 segundos. Mas, no período do cinema mudo, a cadência variava entre 16 e 20 fps, dando à frame uma duração entre 0,0500 e 0,0625 segundos.

Nos sistemas de vídeo utilizados nos Estados Unidos, Canadá, Brasil e Japão (NTSC), a cadência é de 29,97 imagens por segundo, portanto cada frame equivale a 0,0333 segundos. Mas os sistemas de vídeo europeus SECAM e PAL (também utilizados na maior parte da América Latina) trabalham com uma cadência de 25 fps, o que faz com que cada frame dure 0,0400 segundos.

Aqui fica um exemplo de 1 segundo em 25 frames.

Retrato de 1 segundo em 25 frames

(Texto adaptado da Wikipedia  http://pt.wikipedia.org/wiki/Fotograma )

, , ,

Deixe um comentário